Eu, o Louco

A loucura foi meu objeto de estudo ao longo de anos. Confesso que aprendi a percebê-la como um universo ímpar, uma manifestação linda e ingênua, raramente percebida e, consequentemente, valorizada, pela sociedade. Foucalt (1972), afirma que o sujeito da loucura é aquele que é jogado à margem. Sua retrospectiva histórica, resgatando os leprosos, os acometidos […]

Leia Mais "Eu, o Louco"

Obstáculos e Hierarquias

  Como já coloquei em textos anteriores, o impulso delirante, aquele que altera elementos da realidade, com a finalidade de provocar um ajuste adequado entre o que é e aquilo que deveria ser, ou se deseja, é a experiência que mais fragmenta o conhecimento humano. Consequentemente, dissocia sua consciência sobre o que é e ergue […]

Leia Mais "Obstáculos e Hierarquias"

Imagine Só

  A maior de todas as buscas humanas, ao contrário do que se pensa, não é a felicidade, mas, sim, a estabilidade. O estado de felicidade é uma consequência daquilo que se estabiliza. Almejamos suprir necessidades fundamentais como sono, alimentação e vida sexual, com qualidade. Ambicionamos uma logística de segurança para a vida como casa, […]

Leia Mais "Imagine Só"

As Incertezas da Comunicação

  A comunicação, seja ela verbal ou não verbal, é um ícone, literalmente simbólico, da evolução cognitiva humana. Sua finalidade é colocar em comum, ao outro que participa do processo relacional, aquilo que se percebe e se define dentro do conviver. Absolutamente simples. Contudo, o maior problema constatado nas relações humanas está justamente na inabilidade […]

Leia Mais "As Incertezas da Comunicação"

Por que Ressentir?

  Permanecemos, continuamente e, jamais, situacionalmente, motivados a reagir de maneira, qualitativamente, ressentida. Uma ação predominante à dinâmica humana. Procurarei não versar sobre o tema para não cair em falácias poéticas. O afeto é uma das funções mentais do ser, fazendo-o trafegar entre a linha de convicção à alegria e à tristeza, de forma oscilante, […]

Leia Mais "Por que Ressentir?"

Psicologia do Destino

    “O que conta é ser-se verdadeiro e então aí se inscreve tudo: a humanidade e a simplicidade. “ CAMUS, Albert (1913/1960).   Falar sobre o destino é algo tão surpreendente e mágico. Diferentes segmentos sociais dissertam sobre esse tema, crendo serem doutos sobre o assunto. Em verdade, absolutamente nada sabemos sobre ele e, […]

Leia Mais "Psicologia do Destino"